Na estrutura borromeana da Escola, “Trata-se de uma consistência real onde cada um intervém com o desejo que se diz no compromisso e na responsabilidade de ‘fazer escola’” (Ata de 2014). Enodar é ato que convoca um a um à sustentação de uma transferência de trabalho com a Escola, impedindo dispersão e isolamento.

Ao ‘oferecer-se ao ensino, o discurso analítico’ produz ensinante que assume um compromisso decidido com sua proposta de trabalho escrita no boletim da Escola; ‘um pequeno boletim que faça laço’.

Colegiado da Escola Letra Freudiana

Ensino e Transmissão

Em nossa experiência de Escola, traçou-se um ensino a partir da leitura dos textos de Freud e de Lacan, não de uma forma linear, mas estabelecendo um eixo no qual se fizeram os cortes possíveis a partir dos conceitos fundamentais da psicanálise. A produção de trabalhos sobre pontos cruciais da práxis analítica conflui em jornadas e publicações.

Leituras de Freud e de Lacan

Espaço de trabalho textual que articula os conceitos fundamentais da práxis psicanalítica.

Leitura de Freud

saiba mais

Leitura de Lacan

saiba mais

 

Seminários

Psicanálise e…

Núcleo de Investigação Clínica

Núcleo de Investigação Clínica: Han$

Os encontros de trabalho, constituídos em torno do Núcleo Hans, são compostos por membros e participantes que se reúnem quinzenalmente. A produção que daí resulta é apresentada em uma reunião mensal, aberta a todos aqueles que se interessem por essas questões cruciais da Psicanálise.
saiba mais…

Núcleo de Investigação Clínica: As Psicoses e Autismo

Lacan localiza a forclusão ao redor da impossibilidade de encontrar um significante que permita responder a uma nova exigência, um chamado ao Pai. Define este significante que falta como Nome-do-Pai.
saiba mais…

Secção clínica

“Espaço de interlocução destinado aos membros e participantes da Escola, onde se passa ao público um dizer sobre a experiência de uma prática, possibilitando algum atravessamento de seus impasses.”1

A secção clínica não é meramente a apresentação de um caso clínico. É um lugar na Escola para que o analista, a seu tempo, possa dizer de sua práxis, dos seus impasses e de sua função.
Constitui-se em uma experiência onde estão implicados o analista e cada um dos que aí estão na ‘função ouvinte’.

Miriam Chor Blanck – responsável

Última terça-feira de cada mês às 13h30.

Reunião d’Escola

A reunião D’Escola e o discurso analítico estão enlaçados na concepção borromeana que a ata de 2014 da Escola Letra Freudiana propõem. Em uma estrutura borromeana, membros e participantes são uma instancia comum, efeito do discurso e da prática que a Escola institui, empenhados em transmitir a especificidade da formação do psicanalista

Terças-feiras às 13h30.