capa-home

N° 53 - a escrita do fantasma

Vários

Retroagir sobre a questão do fantasma – dessa vez, a escrita do fantasma – reflete efeitos da transmissão da psicanálise sustentada pela Escola Letra...

R$ 58,00

Sumário

O romance familiar dos neuróticos
Sigmund Freud

À guisa de breve glossário
Eduardo Vidal

Da fantasia-romance à representação da fantasia, um vetor da prática freudiana
Maria Cristina V. Vidal

Uma criança é batida – Capítulo I
Sigmund Freud

Uma criança é batida – Capítulo II
Sigmund Freud

Uma criança é batida – Capítulo III
Sigmund Freud

Uma criança é batida – Capítulo IV
Sigmund Freud

Fantasia ou fantasma?
Marcia Jezler
Patricia Sá

A lógica do fantasma: não há universo do discurso
Nestor Lima Vaz

Fantasia, Trauma e Fantasma
Sergio Becker

Ein Kind wird geschlagen: A fantasia desde Freud
Anna Beatriz Medici

Saber, Verdade e Fantasma: “uma outra costura”
Letícia Nobre

A essência do isso como “não eu” expresso em “Uma criança é batida”
Diana Mariscal
Sergio Gondim

A escrita do fantasma e a pulsão
Cláudia Mayrink

O ‘pret-à-porter’ do fantasma
Arlete Garcia

Do trauma ao fantasma, do fantasma ao trauma: construções em uma análise
Sofia Sarué

Autismo, onde a não alcança S
Licia Magno Lopes Pereira

“Querimbora, não sei pra onde”
Ana Maria Portugal Maia Saliba

Onde o significante agia, Eu devo tornar-me a“Wo $ Tat, Muss Ich a werden”
Elza Gouvêa

Tempo – letra – estilo
Alicia Sterlino

Avanço do saber: uma experiência de escrita
Rafael Lobato Pinheiro

Apresentação

Retroagir sobre a questão do fantasma – dessa vez, a escrita do fantasma – reflete efeitos da transmissão da psicanálise sustentada pela Escola Letra Freudiana desde a sua fundação. Na revista 1, 2, 3, 4, ocasião em que se recolheu alguns trabalhos apresentados na Escola, encontra-se um espaço dedicado exclusivamente a essa questão. E não foram poucos os momentos nos quais se decidiu retomar esse ponto que, mais do que um conceito, é um operador lógico na direção do tratamento.

A escrita do fantasma responde ao momento lógico da conclusão de uma análise. O ato que sela o término de uma análise ocorre quando a causa do desejo determina o sujeito em sua divisão. Ato que precipita a escrita do fantasma fundamental como axioma da análise: $<>a. A escrita matêmica orienta a escuta do analista. A direção da análise é regida pelo matema que escreve S(A/), significante da falta do Outro. Pelo matema, o significante é levado a seu átomo literal e na opacidade da letra confluem desejo e gozo. Constatamos, assim, que o matema é intraduzível e essa maneira podemos ler A/ como Outro barrado.

A decisão de manter a palavra “fantasma” para traduzir fantasme – termo aditado por Lacan no curso de seu ensino – confirma sua redução à pura letra. Decisão essa que expõe o ponto irredutível a que somos confrontados pela impossibilidade inerente a toda tradução. A letra, no seu limite, é intraduzível, mas exige que seja escrita.

O fantasma, enquanto letra, não se dá a ler. Na experiência analítica, é preciso que seja construído, seja escrito.

Nesta publicação, ao trazermos a letra freudiana na língua do autor, acompanhada da proposta de tradução para o português, destaca-se o encontro com o limite da letra por não se deixar capturar pelo sentido do texto, mas fazendo emergir significantes que podem constituir balizas de leitura de escritos fundantes da psicanálise.

E.V.
M.C.F.C.
P.S.

Outros títulos

+ Veja todas as publicações